Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ups, I have a home to care

Ups, I have a home to care

11
Abr18

Tiras-me do sério


Ups! I have a home to care

 

Sendo eu de signo caranguejo vou de um extremo de humor ao outro num simples piscar de olhos. Muito facilmente me comovem de felicidade e com a mesma facilidade me levam ao outro extremo e aí, fujam da frente.

Não sou de reclamar por tudo e por nada. Ai quantas vezes eu queria dizer umas verdades a quem bem as merece ouvir, quantas vezes me apetece reclamar com alguma coisa e engulo isso tudo. Sou assim, vou enchendo, enchendo, mas quando a última gota faz transbordar o copo, aí sim, como dizem os brasileiros "o bicho pega". Como canceriana guardo tudo comigo, por isso não me tires do sério ou eu vou "mandar-te" à cara coisas que me fizeste na idade da pedra, que já 2c049c8f1c9728117c55fc23b663f5b6.pngninguém se lembra, mas que eu guardo comigo. 

E se me quiseres tirar do sério é dizeres-me isso, que não sei perdoar. 😡 Perdoar eu perdôo, mas não sou amnésica. Não me digas que reclamo disto ou daquilo quando há gente em situação pior, arrrrgghhhhh eu sei disso, mas também tenho direito a explodir de vez em quando.

 

 

 

Free images by pngtree.com

E quando eu quero permanecer chateada com alguém, mas essa pessoa faz-me rir. Que nervoooossss!

A forma como arrumas as panelas no armário também me tira do sério. Mas será que custa muito cumprir a sequência de tamanhos e guardar tudo direitinho?

E quando a nossa pequena artista, com um talento tão grande, mas tão grande, que só a folha de papel não chega para tanto talento e então espalha a sua obra de arte pelas mãos, roupa, paredes. E tira-me mais do sério quando a chamo à atenção e ela olha com aquela carinha fofa e derrete-me o coração.

 

Há coisas muito sérias que me tiram do sério e me fazem perceber que o meu "mundinho" não é nada, não tem problema algum, e que não tenho motivos para me queixar. Felizmente vivo num país sem guerras, deixo a minha filha na escola sossegada, com a certeza que não há livre acesso a armas e não vou saber através do noticiário que houve um tiroteio na escola da minha filha. Vivo num país em que como mulher que sou tenho direito e até o dever de, tal como o meu marido, trabalhar para sustentar a casa, sustentar-me financeiramente e não depender de um homem para isso. Sou livre de mostrar o meu rosto, ir ou não à igreja. Sou livre de exprimir a minha opinião sem ferir nem magoar ninguém. 

Mas ainda assim reclamamos, e temos direito a fazê-lo. Deitar para fora o que nos faz mal, é uma forma de nos cuidar-mos.

 

 

1 comentário

Comentar post

Sigam-me

Passatempos na Internet

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D