Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ups, I have a home to care

Ups, I have a home to care

05
Mar20

Assédio Moral no trabalho


Ups! I have a home to care

Créditos Imagem: Magg

Viram a notícia que a SIC e o Expresso exibiram este fim de semana? Se não viram aconselho-vos vivamente a ver, seja por se identificarem nas situações descritas (como é o meu caso), seja para compreenderem o quão perturbador isso pode ser para as vítimas principalmente se tiverem alguém próximo a passar por isso, por curiosidade ou porque se praticas assédio moral deves ver aquilo que causas, deves ver o quanto nos fazes sofrer.

Deixo o link do vídeo completo da notícia: QUERO controlar POSSO humilhar MANDO obedecer

Da entrevista a principal frase que retive foi a dita por uma advogada que diz que "provar o assédio moral é muito difícil".

Somos vítimas e não temos como provar. 

No meu caso, trabalho numa empresa privada, numa das maiores cadeiras de supermercados do país, onde desde o último ano passei literalmente de Bestial a Besta. Se outrora eu era uma peça fundamental nas tomadas de decisões, um alicerse da loja, hoje não sou nada nem ninguém. Trabalho com pessoas que não fazem a mínima ideia do significado de trabalho de grupo, verdadeiras lambe botas, mas não é isso que me perturba nelas. É a sua personalidade, a necessidade constante de se demonstrarem altivos, superiores, arrogantes, até agressivos. Não há um único dia que eu não faça o trajeto para o trabalho a pensar como irei encontrar essas pessoas. Estarão num dia bom? Será que se chatearam em casa e vão descarregar-me em cima? Será que hoje vão ser menos agressivas a falar do que ontem? Não quero entrar muito em pormenores porque estou mesmo muito afetada psicologicamente com o que tem vindo a acontecer. Por agora apenas vos posso dizer que estou a esgotar-me psicologicamente, não há um único dia de trabalho que não vá para o trabalho ou que volte para casa a chorar. E às vezes o pior de tudo isto é sentirmo-nos incompreendidos pelos que moram connosco. Felizmente isso não me acontecia e depois de juntos ver-mos esta reportagem sinto ainda mais apoio do meu marido.

Por enquanto continuo nas minhas insónias com medo que o amanhã chegue para voltar ao trabalho, com os pesadelos com situações do trabalho quando o corpo é vencido pelo cansaço e adormeço. Por agora vou enxogando as minhas lágrimas e vou dizendo a mim mesma que isto são coisas da minha cabeça e um dia irá passar.

Por enquanto. Por agora. Até quando? Não aguento muito mais. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Sigam-me

Ganhar uns trocos com Inquéritos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub